9 de outubro

A bela Danièle

Straub e todos nós estamos mais sós. Sem caminho. Como observou Ruy Gardnier, crítico da Contracampo, “Danièle Huillet morreu no dia 9 de outubro, sem maior estardalhaço, calma, quase escondida. Discreta, como a trajetória intransigente de seus filmes”. Próxima, calorosa, Danièle era uma artista e pessoa muito singular. Acima de tudo, para ela, vida e obra eram indissociáveis. O suficiente para mesmo para quem não conviveu com ela, mas teve o privilégio de conhecer seus filmes, sentir sua falta como a de um ente querido. Sua perda e, sobretudo, a indiferença com que sua morte foi tratada (tal o espanto de apenas agora tomar conhecimento), é indício da nossa tragédia, da nossa solidão. Resta nos lamentar, como fez Kafka:

"Vos Amados, vos, Anjos, onde estais, onde ficais invisíveis?
Inalcançáveis pela minha mão terrena..."

Leiam a bela homenagem do Ruy clicando aqui

Mansão do Inferno

 

Sob os desígnios da beleza e do horror

 

Na década de 1940, em plena Europa do Pós-Segunda Guerra, Cesare Zavattini, um dos artífices do neo-realismo italiano, sonhava em “filmar as 24 horas da vida de um homem”. Em outras palavras, defendia um cinema sem trama, sem estórias, colado à realidade. Naquele período pensava-se na “reforma do homem” através dos filmes, da arte.

Então veio “Cidadão Kane”, de Orson Welles, não por acaso considerado o marco inaugural do dito “cinema moderno”, para embaralhar a utopia neo-realista. Em certo sentido, ao curvar-se ao mistério indecifrável da existência humana, Welles sinalizava para a esterilidade do projeto de Zavattini, inaugurando assim o breve momento da história do cinema em que o meio, o filme em si, era o mais importante.

A partir da célebre metáfora do cinema como janela para o mundo, Godard sentenciou: “É o momento de se ater a essa janela”. A reflexão sobre o cinema abriu caminho para a era do “homem de cinema”, do filme de autor.

Já era possível encarar o cinema, sua feitura e não apenas visão, “como a dimensão própria do sonho”, como declarou o também italiano Dario Argento quatro décadas depois, ao apresentar “Mansão do Inferno” (Inferno, 1980). Um filme de trama tão confusa quanto secundária, em que tudo se desenvolve sob os desígnios da beleza e do horror.

Considerado a segunda parte de uma trilogia iniciada em “Suspiria” sobre as mitológicas “Três Mães” que dominam o mundo, “Mansão do Inferno” é mais claramente encenado como uma fábula do que o anterior. Um conto de fadas em que gatos comem ratos e ratos e gatos são fatais para os homens. Há um príncipe, um alquimista, uma princesa e uma bruxa. Um prédio misterioso que bem poderia ser um castelo.

A utopia de Argento é filmar esse sonho em duas ou três cores, notadamente o azul e o vermelho, sem fio condutor, lógica narrativa, contemporaneidade e verossimilhança. Liberdade que só um “homem de cinema” poderia se permitir, com imagens e sons operando no imaginário poético e assustador já forjado pelos gêneros cinematográficos ao longo dos anos. Pois se quase tudo já foi mostrado, explicado, tramado e reciclado pelo cinema nestas últimas décadas, resta ainda como encanto a possibilidade de sonhar: um filme sem mensagens e nada a decifrar. Esse frescor infantil que perdemos quando nos tornamos adultos.

Les Anges du Péché

 

O primeiro Bresson em DVD

 

Aos poucos a obra de Robert Bresson começa a se tornar novamente visível. Em grande parte devido às edições em DVD dos filmes do cineasta francês (confira abaixo a lista dos principais lançamentos). É o caso de “Les Anges du Péché”, primeiro longa-metragem de Bresson, lançado em 4 de janeiro de 2007, pela Éditions Gallimard, com opções de legendas em inglês, espanhol e italiano.

Fiel à tradição da célebre editora, o filme vem acompanhado do livro de Jean Giradoux, “Béthanie”, no qual se baseou a obra.

Rodado durante a ocupação alemã da França, durante a 2ª Guerra Mundial, a produção de “Les Anges du Péché” é recheada de histórias, a maioria delas associada à resistência francesa, com atores e membros da equipe técnica diretamente ligados ao movimento. Fatos que são reconstituídos no documentário “Les Anges, 1943 (Histoire d'un film)”, realizado pela atriz - descoberta por Bresson em "Au Hasard Balthazar - Anne Wiazemsky. Trata-se do principal extra oferecido pela edição especial da Gallimard, disponível no site da Cine-Memento  por 28 euros.

O lançamento em DVD da obra inaugural da filmografia de Bresson foi antecedido por um amplo processo de revisão de “Les Anges du Péché”. Após a restauração dos negativos, conduzida pela própria Mylene Bresson, o filme foi apresentado no Festival de Londres em 2005 e reestreou nos cinemas franceses no final de  2006, merecendo artigo nos Cahiers du Cinéma (confira a íntegra) e programas especiais nas rádios francesas.

Outro filme raro de Bresson  disponível para compra via internet é “Quatro Noites de um Sonhador”, adaptação de “Noites Brancas”, de Dostoiveski. Em edição não oficial, extraída de um VHS e legendas em inglês, pode ser comprado por 13 dólares no site Superhappyfun. O lançamento oficial de “Quatro Noites de um Sonhador” pela MK2, responsável pelo recente Coffret Bresson, foi prometido para 2006, mas até o momento não tem nova data confirmada.

Com a adição destes dois filmes, fica faltando apenas o média-metragem “Les Affaires Publiques” e longa “Une Femme Douce”, cujos direitos pertencem ao Estúdio norte-americano Paramount, para completar a filmografia bressoniana.

 Nas locadoras

Filmes de Bresson disponíveis no Brasil

 

Silver Screen/Continental

Pickpocket

Veja trecho do filme

 

Magnus Opus

“Diário de Um Pároco de Aldeia”

“As Damas do Bosque de Bolonha”

 

Versátil

“O Processo de Joana D’Arc”

 

Bresson

Confira os principais lançamentos em DVD

 

EUA/Inglaterra

Criterion Collection

“Diário de Um Pároco de Aldeia”

“Mouchette”

“Au Hasard Balthazar”

“Pickpocket”

“As Damas do Bosque de Bolonha”

New York Vídeo

“Lancelot du Lac”

“Um Condenado à Morte Escapou”

“O Dinheiro”

Itália

Fox Label

“Pickpocket”

Edizione San Paolo Multimedia

“Lancelot du Lac”

“Um Condenado à Morte Escapou”

“O Diabo Provavelmente”

“Mouchette”

Espanha

Intermédio

 “Um Condenado à Morte Escapou”

“O Diabo Provavelmente”

“Lancelot du Lac” (Confira Trailer abaixo)

 

França

MK2

“Pickpocket”

“O Processo de Joana D’ Arc”

“O Dinheiro”

Arte

“Mouchette”

“Lancelot du Lac”

 Canal Plus

“Diário de Um Pároco de Aldeia”

[ ver mensagens anteriores ]
Meu Perfil
BRASIL, Nordeste, SALVADOR, VILA LAURA, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, Spanish, Arte e cultura, Cinema e vídeo